domingo, 10 de agosto de 2008

INVASÕES ESTRANGEIRAS



AS INVASÕES FRANCESAS

A primeira expedição francesa foi comandada por Nicolau Durand de Villegaignon que chegou na Baía do Rio de Janeiro em 10 de novembro de 1555.
Eles fundaram a França Antárctica, que se destinava a receber os "Calvinistas", protestantes religiosos.
O povoado serviria de bases para o comércio do pau-brasil e de outros produtos que por ventura encontrasse no país.
Villegaignon conquistou a amizade dos índios tamoios, que foram os seus aliados na luta contra os portugueses.
O Governador-geral, Duarte da Costa, não conseguiu expulsar os franceses por falta de recursos, somente Mem de Sá, iniciou a luta contra eles, e foram expulsos doze anos depois da invasão, em 1567.
No entanto, eles não desistiram. Em 1612, comandados por Daniel de La Touche, invadiram o Maranhão e fundaram a França Equinocial. O forte construído nessa época deu origem à cidade de São Luis, atual capital do Maranhão.

OS HOLANDESES NO BRASIL

Em 1624, a chega na Bahia uma esquadra holandesa comandada por Jacob Willekens. O governador da Bahia, Diogo de Mendonça Furtado, foi preso e os holandeses tomaram conta da cidade de Salvador.
Em 1625, os moradores de Salvador, com auxilio dos portugueses e dos espanhóis, cercaram a cidade por terra e por mar e expulsaram os holandeses.

SEGUNDA INVASÃO

A segunda invasão ocorreu em 1630. O local escolhido foi Pernambuco (Recife e Olinda, por serem áreas canavieiras).
A esquadra holandesa, de mais de 50 navios, chegou em Pernambuco com cerca de 8 mil homens, entre marinheiros, trabalhadores e soldados.
Os holandeses tomaram conta de Recife e de muitos engenhos da região. O governador de Pernambuco, Matias de Albuquerque, fugiu para o interior e fundou o arraial do bom Jesus, de onde comandava uma luta de emboscadas contra os holandeses.
Em 1632, porém, com auxílio do mameluco Domingos Fernandes Calabar, rompem o cerco formado pelos portugueses e, em sucessivas vitórias, dilatam o domínio holandês em solo brasileiro. Em janeiro de 1637, o governo holandês julga seu domínio firmado e escolhe um local onde fundam Recife como sede de seus domínios no Brasil, por ter, nessa localidade, a segurança que não dispunham em Olinda. A Recife holandesa possuía rios e canais muito similares aos que os holandeses estavam acostumados em sua pátria. Olinda situa-se e região montanhosa, muito semelhante as cidades portuguesas. O Conselho dos XIX da Companhia das Índias Ocidentais enviam, então, um príncipe da família reinante, o conde João Maurício de Nassau-Siegen, para ocupar a função de governador-geral do Brasil Holandês.

Nassau fez um bom governo:
Incrementou a economia canavieira:
Fundou o jardim botânico e o zoológico
Favoreceu a vinda de artistas;
Deu liberdade religiosa.

Com essas medidas de Nassau, as relações entre holandeses e pernambucanos melhoraram muito.
Em 1644, Nassau foi chamado de volta, a partir de então os pernambucanos reiniciaram a luta contra os holandeses. Essa luta ficou conhecida como Insurreição Pernambucana.
Em 1654, os holandeses foram definitivamente expulsos do Brasil.

2 comentários:

Yara disse...

Ótimo artigo.
Parabens, vai nos ajudar muito n concurso da EsSa!

Agma Adielly disse...

esse artigo vai me ajudar muito num trabalho. obrigada a todos que construiram essa página.bjs Agma Adielly.